MOMENTO LITERÁRIO: Final de semana!

O sol é morno , frio e claro como a vida de Rosália que caminha apressada pela rua do bairro pobre pra chegar a tempo na reunião de pais e mestres da escola de seu filho – Marcos; seu motivo pra acordar; é final de semana.

Os cabelos esbranquiçados e mal penteados, seu ombro arcado pelo acumulado das faxinas de 20 anos na casa de dona Teresa, lá pelos lados do aeroporto de Congonhas, todos os finais de semana; esses que Rosália não vê a hora que chega pra ficar feliz em ganhar seu dinheirinho extra, sua independência.

Quanto orgulho Rosália sente da confiança de dona Teresa: a chave fica com ela – Rosália. Dona Teresa mora pras bandas de Atibaia, tem imobiliária chique no bairro da zona sul de São Paulo e vem, por esses tempos, duas vezes por semana, então Rosália não falha. Hoje ela chega atrasada, mas vai compensar, tem reunião do filho Marcos, sua razão de continuar com os brilhos na vida de dona Teresa.

Dona Teresa já está em Atibaia na sua vida confortável ao lado dos filhos gêmeos, bonitos, saudáveis, já adultos, o marido bem sucedido, tem churrasco em família, é final de semana, dia de Rosália limpar sua casa da capital. Tem dias que Rosália não pode ir, porque dona Teresa tem visitas especiais. Dona Teresa encontra-se com um amigo dos tempos de faculdade na casa que ela limpa e os dois conversam muito e precisam ficar a sós, isso só ocorre durante a semana porque o amigo dela também tem sua vida nos finais de semana, quando Rosália, limpa, limpa, limpa.

Dona Teresa estudou muito, formou-se professora de matemática, tornou-se excelente corretora de imóveis na imobiliária do marido, ganhou a liberdade que buscava no tempo de faculdade, emancipou-se financeiramente e ainda saiu da vidinha enfadonha das bem casadas.

Seguiu os ditames do seu tempo: “É pelo trabalho que a mulher vem diminuindo a distância que a separava do homem, somente o trabalho poderá garantir-lhe uma independência concreta.” ―Simone de Beauvoir

Ela é uma corretora de sucesso, uma mulher moderna que vive a liberdade conquistada: tem amigos do trabalho, amigo só dela, faz compras na capital, escolhe sua agenda, seus lazeres e prazeres nos dias úteis tão esperados durante os finais de semana.

Rosália ouve a professora de Marcos, atenta e com os olhos marejados fica cada vez mais afundada na sua cadeira, espera o final, se enche de coragem e pede socorro à professora. Rosália é analfabeta e não quer que a história de sua família se repita: marido, ela, filho mais velho, todos sem estudo.

Marcos é sua esperança de transformação!

A manhã é rápida, o ônibus vai chegar e como um folhetim barato; a casa pouca onde Marcos divide a cama com os pais, o marido velho que não a quer mais porque está doente, e ainda leva Marcos todo final de tarde pro bar até que Rosália chegue de outras faxinas, o filho desempregado que fugiu da escola e ouve funk o dia todo; vão alinhavando o desempenho escolar de seu filho pequenino.

Rosália pede ajuda, por Marcos ela muda, ela fica forte, ativa, ela quer aprender a escritura e a leitura de alma purificada pelo drama diário da vida catártica. Fecha acordo de honra com a professora e segue sua jornada disciplinada, garantia da transformação de sua saga. Seguindo analfabeta e sabiamente, Simone de Beauvoir : “Esta é o que considero a verdadeira generosidade. Você dá tudo de si, e ainda sente como se não lhe tivesse custado nada.”

A escola está muito longe das subjetividades de Rosália, a escola tem metas a cumprir, as competências e habilidades, do Perrenoud não sabem do cotidiano, das dores e amores de Rosália.

A chave balança na bolsa, dona Teresa abre a porta pra sua empregada de anos, os olhos estão inchados, os cabelos despenteados, ela não está assim tão bonita, arrumada no final de semana! Rosália entra quieta, seu silêncio é cúmplice das qualidades femininas.

Rosália entra, faz um chá, serve dona Teresa e limpa, limpa, fala de Marcos, da sua esperança.

Dona Teresa ouve a causa nobre da mulher simples, humilde, analfabeta, de vida seca, sofrida, sem estudo, sem marido, sem dinheiro, sem escolhas.

Dona Teresa liga para o amigo, ele não pode vir, as amigas da capital estão nas suas vidas do final de semana, os amigos de trabalho já tem programas, os shoppings, os cinemas, as ruas não lhe pertencem no final de semana. Os filhos não vieram para o churrasco e o marido bem sucedido teve uma reunião de negócios em outra cidade, as mensagens pelo celular não tem respostas, hoje é final de semana!

Rosália se compadece de dona Teresa, oferece um almocinho caseiro, um café forte, uma casa limpa e a certeza da vida real: a dor uma hora passa, assim como o final de semana.
Por: Claudia Maria Luciano – Cronista – Militante do MEOB – Professora Rede Estadual de São Paulo

Para estas e outras publicações, acessem nosso Blog: www.socialistalivre.wordpress.comSocialistas Livres II

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Galeria | Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

Uma resposta para MOMENTO LITERÁRIO: Final de semana!

  1. Comunicação disse:

    Por favor, entre em contato conosco. É urgente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s