Trabalhador ou colaborador? Parem de mentir para nossa classe!

Nas relações trabalhistas de produção, na escala hierárquica, patrão, chefe, trabalhador, as empresas contemporâneas mudam as palavras para fingir que a empresa é uma grande família fraterna e não um lugar em que os patrões, usando do poder de comando e do poder de controle dos seus chefes, colocam os trabalhadores para produzir, trabalhar, em troca de salário, com o objetivo de explorá-los de forma a gerar lucro para a empresa.

Assim, ao invés de chamar o trabalhador pelo real nome de sua função na empresa, ou seja, “trabalhador” (aquele que trabalha e recebe salário), não, não fazem assim, os patrões capitalistas e suas chefias mais “modernas” mudam as palavras e chamam os trabalhadores de “colaboradores”. Um exemplo, quando entro na Loja Riachuelo de minha cidade para comprar alguma camiseta, a todo momento soam os alto-falantes: “Colaboradora Cíntia, compareça ao setor de pagamento”; “Colaborador Jakes, compareça ao primeiro andar”; “Colaboradora Ângela, compareça ao setor de trocas”, enfim, nessa empresa são públicas as táticas da enganação. O efeito é psicológico, fazer com que o “trabalhador”, chamado falsamente de “colaborador”, se esqueça de que é assalariado, subalterno aos chefes, subalterno aos patrões, e, pior, esqueça-se de pensar e investigar como ele é explorado na empresa.

A propósito, como ensinou Marx, em O Capital, a exploração do trabalhador se dá através da exploração de mais-valia, ou seja, através do trabalho não pago ao trabalhador, o que em outras palavras significa que o trabalhador produziu muito mais dinheiro com o seu trabalho, em determinada empresa, do que recebeu de volta em forma de salário. Esse muito dinheiro a mais produzido pelo trabalhador na empresa e que vai parar no bolso do patrão é calculado depois de descontar o dinheiro das matérias primas aplicadas às mercadorias, o dinheiro dos trabalhos anteriores agregados às mercadorias que o trabalhador agrega-acrescenta trabalho em uma dada empresa, e mesmo descontando o dinheiro da logística aplicada na produção das mercadorias que o trabalhador de dada empresa acrescenta-agrega trabalho atual.

Os ditos “colaboradores”, portanto, na verdade, são explorados pela empresa e com sua exploração nas relações de produção “colaboram” sim, mas para encher o bolso de seus patrões de dinheiro, enquanto estes mesmos “colaboradores” continuam sujeitos a ser demitidos a qualquer momento (se a empresa é uma grande família, que família é essa que pode expulsar seu irmão a qualquer momento?), sujeitos a salários muito inferiores aos salários de seus chefes (se a empresa é uma grande família, que família é essa em que todos trabalham e uns ganham mais do que os outros?), sujeitos a produzir um grande patrimônio, mas só os patrões usufruem da maior parte da grandeza do patrimônio construído (se a empresa é uma grande família, que família é essa em que todos constroem a casa, mas só alguns tem direito de usufruir de todos os cômodos?).

Em suma, trabalhador ou colaborador? TRABALHADOR. Chamem-nos por nosso real nome e parem de enganar nossa classe com palavras aparentemente elegantes, mas que, no fundo, escondem nosso real lugar de explorados nas relações de produção. “Colaborador”, vírgula.

Por: Gílber Martins Duarte – Militante SOCIALISTA LIVRE – Sind-UTE/Uberlândia/MG – Doutor em Análise do Discurso/UFU – Professor da Rede Estadual de Minas Gerais – Membro MEOB – CSP-CONLUTAS – EDITOR DO BLOG http://www.socialistalivre.wordpress.com.

Acessem nosso Blog: www.socialistalivre.wordpress.com

Socialistas Livres II

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Galeria | Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

33 respostas para Trabalhador ou colaborador? Parem de mentir para nossa classe!

  1. Loriemarie disse:

    Socialilsom não sabe a definição econômica de capital, porque é um mero ideólogo e analfabeto em economia.
    Socialilsom não tem capital retido (poupança) porque não trabalha.
    Socialilsom não investe em seu futuro, mediante a capitalização de recursos, porque não acredita em um futuro que não seja usurpar de quem realmente produz.
    Socialilsom não sabe que o lucro serve para indicar qual a melhor maneira de satisfazer os consumidores, e que o capital oriundo deste lucro é o meio de fazê-lo.
    Socialilsom acha que os empregados são escravos dos empregadores, quando na verdade eles produzem tudo que consomem e sem empregadores não teriam o que receber nem consumir.
    Socialilsom acha que todo bem ofertado é consumido porque nunca entendeu a flutuação das ações, falência ou o enriquecimento, mas não se prontifica a vender a bosta que defeca a preço de ouro e ficar milionário como se isto fosse possível.
    Socialilsom é de dar pena!

    • Peroni disse:

      A iniciativa privada sempre faz melhor e com mais qualidade e cobra o preço baseado na lei da oferta e demanda e você tem a liberdade de escolher qual o melhor serviço pra você ou nao escolher nada, enquanto o governo toma seus dinheiro via impostos, independente se você quer ou não, ainda cobra taxas na hora de usar o serviço que você já pagou via impostos.
      Só obervarmos o caso da VALE, hoje privada, gera muito mais empregos e riqueza do que quando estatal, e por incrível que pareça, para o governo hoje é melhor ela privada do que estatal, pois como privada ela dá mais dinheiro para o govero via impostos do que de ”lucro” quando era estatal.

  2. assalariado. disse:

    Loriemarie, vamos por partes.

    1)- Socialismo enquanto modo de produção social, propoe socializar os meios de produção (bancos, industrias, latifundios, ….), para que o fruto do trabalho coletivo seja do coletivo. Isso vai no oposto do modo de produção capitalista, que propoe a exploração do (capital x trabalho), para que meia duzia de parasitas das elites, acumulem riquezas as custa do suor coletivo. Isto é, queremos, nós,s os socialistas, acabar com a exploração entre os seres humanos.

    2)- No socialismo, não tem parasitas/ rentistas, que vivem e se enriquecem com o suor alheio e especulando nas bolsas de valores, em vez de investir na produção, assim, criando empregos.

    3)- No Socialismo a ‘capitalização’, (acumulução/ poupança) se reverte em beneficio do conjunto da sociedade e das necessidades do povo nação. No capitalismo, os parasitas do capital -(burguesia capitalista)-, vivem em funçao de acumulação individualista em favor de meia dúzia de exploradores dos assalariados. No socialismo acumula- se para dividir entre os que produzem, e não para os parasitas das elites.

    4)- No Socialismo, não existe empregados nem empregadores. Uma vez que, não há a propriedade privada dos meios de produção -(bancos, industrias, agronegocio, ..). Isto é, a empresas são socializdas e os lucros idem, e são geridas pelos próprios assalariados e sua direção, é eleita entre os próprios. Depois de definir, o que? e como produzir? como distribuir?para a sociedade, segundo suas necessidades.

    5)- O modo de produção Socialista ( que é anticapiitalista)-, só quer restabalecer a justiça social das riquezas produzidas pelos assalariados, e que, lhe é usurpada pela burguesia capitalista, em beneficio particular, em detrimento do sofrimento coletivo dos verdadeiros produtores das riquezas.

    6)- Socialismo ou Brabárie!

    • Peroni disse:

      Socialistas e socialdemocratas realmente acreditam nas falácias que pregam, ou há um projeto totalitário acobertado?

      • carmelo disse:

        Em discussões socioeconômicas, ter como rivais mentes manchadas de vermelho, que creem na possibilidade de se fazer efetiva uma justiça social por meio de medidas intervencionistas do estado, leva o litigante mais conhecedor a duvidar gravemente da inteligência, do saber e talvez até do caráter desses adversários. De indivíduos que, num grau mínimo de mentalidade socialista, defendem que toda propriedade privada deve exercer uma função social a indivíduos que defendem que toda a produção deve ser controlada pelo estado, nenhum desses encontra sustento na teoria econômica, e seu senso ético é disforme, principalmente o dos últimos.
        Tirando os homens que lograram fortuna por meios criminosos e antiéticos, todos os outros indivíduos opulentos assim se fizeram por terem conseguido atender melhor que seus rivais às demandas do mercado. Este o premiou enriquecendo-o. O agente econômico que melhor satisfaz os desejos dos consumidores prospera; aquele que não o faz é obrigado a se aperfeiçoar ou trocar de meios, e isso é natural e bom e justo.
        Redistribuir a renda é favorecer empreendedores malsucedidos a expensas dos indivíduos que melhor satisfazem os desejos das pessoas que compram. É sustentar indivíduos menos produtivos mediante a espoliação dos mais produtivos. E por isso é antiético e injusto.
        Redistribuir a própria renda, por outro lado, não só é legítimo como é ação caridosa, mas o exercício da caridade implica voluntariedade, não coerção. Os defensores dessa injustiça podem dizer que se importam com oferecer oportunidades iguais a todos, no entanto isso não se faria sem uso da coerção e, portanto, é ilegítimo, antiético e injusto. As crianças que nasceram em áureos berços que culpa têm elas da desventura das crianças pobres? Não é justo que paguem pela desdita alheia. Ademais, sempre a desigualdade existirá, já que não somos iguais em competências nem em habilidades.
        Fica, então, mostrado que socialistas e seus semelhantes apenas podem ser cativos da ignorância, ser cognitivamente desfavorecidos ou ter má índole. Nenhuma outra hipótese há que elucide sua existência.

    • carmelo disse:

      Se é uma teoria que tentou ser implantada várias vezes e nunca existiu na sua plenitude já não era hora de assumir, comprovadamente, que não funciona?

  3. Vinoso disse:

    Socialisom não precisa seguir os dogmas do deus mercado para entender de economia.
    Socialisom não tem capital retido porque lhe é pago apenas a mão de obra e não o que ELE GEROU com o seu esforço e trabalho que fica com o dono/empresário.
    Socialilsom sabe que somente através dele que tudo é produzido e é consumido. Sem trabalhador, não há produção, e consequentemente não há o que consumir.
    Socialisom sabe muito bem que SEM EMPREGADOS não há lucro. que este lhe é retirado e usurpado descaradamente e cinicamente pelo Capitariovaldo.

    Capitariovaldo, além de ser cínico é patético, pois coloca o lucro acima do bem estar das pessoas. Capitariovaldo é um ser desprezível.

    • Muito bom. Semana próxima, vou colocar esse seu texto na página principal. Posso?

      • Vinoso disse:

        Claro que sim ! se puder dar uma melhorada, agradeceria. abraços !

      • Peroni disse:

        Toda a esquerda está mobilizada em publicar discursos que se pareçam mais com os anseios conservadores que clamam às ruas do Brasil. Não caiam nessa. Quando estamos indo com o milho eles já voltam com o fubá. O grande mérito da esquerda é estar sempre antecipado para enganar o adversário. Vejam as novas posturas da Jandira “Defecali” e Maria do Rosário. O diabo também usou a imagem de Cristo.

    • Peroni disse:

      Não é difícil perceber que o marxismo de tornou desde o princípio uma arma ideológica para que seus soldados avancem para a tomada de poder (seja ele macro – uma nação – ou micro – a direção de alguma instituição com viés esquerdista). Percebe-se que o cerne da teoria marxista está na crítica ao capitalismo referente à exploração do trabalhador, calcada na teoria da mais-valia.Estamos cercados de intelectuais e intelectualoides, que acreditam em soluções mágicas e não querem dar duro, estudar, trabalhar, difundir a verdade.

  4. Loriemarie disse:

    O fracasso do socialismo como princípio de ordenamento social é hoje evidente para qualquer pessoa sensata e informada — o que exclui, é claro, os socialistas. Estes, porém, insistem que o malogro coletivista foi um mero acidente histórico, que a teoria é fundamentalmente correta e que pode funcionar no futuro, se presentes as condições apropriadas.
    A teoria econômica (para não falar dos fundamentos filosóficos, éticos, sociológicos e políticos!) do socialismo é insustentável em seus próprios termos, e que ipso facto os resultados calamitosos constatados pela experiência histórica são, e sempre serão, uma consequência inevitável de uma ordem (rectius: desordem!) socialista. Não é preciso enfatizar a importância de se ter plena consciência da natureza perniciosa dessa corrente política e de suas funestas implicações, uma vez que em nosso país um poderoso movimento totalitário está muito próximo de tomar o poder.
    Provar que na economia de mercado não existe mais-valia nem exploração, todavia, não é o mesmo que dizer que a exploração não existe. Existe. Ela ocorre quando somos forçados a dar alguma coisa em troca de nada, como no caso dos tributos recolhidos pelo estado. O estado é a máquina perfeita de exploração. E o marxismo, por conferir um poder absoluto ao estado, é o veículo insuperável da exploração sistematizada.
    A doutrina socialista por ser intrinsecamente falsa leva inevitavelmente a uma perversão e inversão do sentido das palavras, como notou Orwell — por ironia ele mesmo um socialista convicto. Liberdade é escravidão e escravidão é liberdade; democracia é ditadura e ditadura é democracia; cooperação voluntária é coerção e coerção é cooperação voluntária. O estado socialista é dono de tudo, o que traduz a triste realidade de que os que comandam o governo são os senhores implacáveis, os proprietários absolutos dos comandados. Socialismo é mais do que uma restauração da escravidão; é seu aperfeiçoamento e culminância.
    Os que se dedicam ao estudo das idéias — deveria ser justamente a de esclarecer a sociedade a respeito das idéias certas a serem adotadas para o bem comum, e advertir do perigo de se aceitar teorias erradas. Mas não é isso que acontece, infelizmente.
    Parece que os intelectuais sofrem de uma propensão irreprimível para o socialismo, certamente porque nele vislumbram a chance de empalmar o poder absoluto em causa própria. Em termos marxistas, o próprio marxismo não passa de ideologia, a falsa consciência, que uma classe — a intelligentsia — difunde em função de seus próprios interesses. Essas falsas idéias se propagam e iludem — alienam — as futuras vítimas da classe “revolucionária”. É um dever inadiável de todo cidadão consciente denunciar esse esquema podre, desmascarar a falácia socialista e esclarecer a opinião pública na medida de suas possibilidades.

    • assalariado. disse:

      Loriemarie, o que é o “Estado de Direito”, senão a burguesia capitalista organizada politica, economica, juridica e militarmente? Sim, estou afirmando que os donos do capital são organizados, muito além dos portões empresariais. É a classe opressora disfarçada de Democracia burguesa para a burguesia. Quando na verdade sobrevivemos sob um Estado de DireitA. Outra coisa, não confundir a literatura marxista de sociedade, com o -(capitalismo de Estado)-, imposto por Josef Stalin aos trabalhadores e ao povo da antiga (URSS = União das Republicas Socialistas Sovieticas). Marx/ Lenin, escreveram que a sociedade, nunca será Socialista se os assalariados/ proletariado, não forem elevados a condição de dirigentes do Estado. Isto é, teremos que construir uma Sociedade/ Estado Socialista, e não um capitalismo de Esado, como aquele que ruiu no ano de 1989, junto com o muro de Berlim. Saudações Socialistas.

      • Loriemarie disse:

        Distribuição de renda pode não servir para nada. Vcs socialistas dão a entender, através de seu discurso, que a desigualdade é o grande mal do mundo. Para descreditar as políticas liberais, apontam para um “aumento da desigualdade” como se isso fosse sempre um mal e como se igualdade fosse sempre um bem.
        São incapazes de perceber que desigualdade não significa pobreza e que igualdade não significa riqueza. Um povo pode ter igualdade, mas serem todos iguais na pobreza. Da mesma forma, outro povo pode, apesar da desigualdade, garantir um nível de vida satisfatório para os mais pobres.
        A prova disso é que a desigualdade medida pelo Coeficiente GINI, revela algumas coisas bem interessantes:
        – A Etiópia é um dos países mais igualitários do mundo. É inclusive mais igualitária que a média dos países da União Européia. Outro que também está entre os mais igualitários é o Paquistão.
        Mas onde é que existe mais pobreza? No Paquistão e na Etiópia ou na União Européia?
        – O Timor Leste é mais igualitário que Espanha, Canadá e França
        – O Bangladesh, outro país que concentra massas de miseráveis é mais igualitário que Irlanda e Nova Zelândia.
        – A Índia é mais igualitária que o Japão.
        – O Malawi é mais igualitário que o Reino Unido.
        E a lista segue adiante. Os exemplos são inúmeros mas todos eles levam a uma conclusão inequívoca: Igualdade não serve pra porcaria nenhuma.

      • carmelo disse:

        IGUALITÁRIOS NA POBREZA E NA MISÉRIA.

      • Peroni disse:

        A tecnologia fomentada pelo estado tem uma só função: satisfazer as vontades do próprio estado. Seria necessária uma clarividência fenomenal para o estado produzir tecnologias que visem a melhorar a vida das pessoas. Neste ponto, não concordo com o ‘pode’ dito por você. Jamais o estado saberá o que é melhor para as trilhões de decisões individuais de uma economia. Se alguma tecnologia estatal acabar sendo aproveitável para as pessoas será mera coincidência.

        My 2 cents.

      • Peroni disse:

        Assalariado!Se é uma teoria que tentou ser implantada várias vezes e nunca existiu na sua plenitude já não era hora de assumir, comprovadamente, que não funciona?

  5. assalariado. disse:

    Peroni, se a literatura marxista nunca foi colocada em pratica, na sua essencia, como afirmar que deu, ou não certo? No século 20, o que fizeram foi uma colcha de retalhos ao modo ditatorial capítalista, travestida de Socialismo/ Comunismo. Onde os assalariados, nunca foram elevados a condição de dirigentes do Estado. Pelo jeito, nas lestes meus comentários. Onde afirmo que os ditos paises “comunistas”, nunca passaram de capitalismo de Estado. Abraços Fraternos.

    • Peroni disse:

      Assalariado,Quanto mais leio as palavras de Marx, mais me assusto.Quando Marx rotula algo de “grosseiro”, “vulgar” ou “irrefletida”, ele fala em tom perojativo. Ou seja, ele não apóia, pelo contrário, ele se opõe a esta idéia.
      Quando Marx rotula algo de “grosseiro”, “vulgar” ou “irrefletida”, ele fala em tom perojativo. Ou seja, ele não apóia, pelo contrário, ele se opõe a esta idéia.É claro que ele não pode “apoiar” porque a descrição da coisa é absolutamente horrível, se ele dissesse que é algo bom, afugentaria todo mundo. Ele reconhece que é grosseiro, mas ele indica claramente como uma “etapa necessária”. É sempre assim, quando algum socialista considera algo como necessário à criação de um poder absoluto (dos líderes socialistas) mas é obrigado a reconhecer que é algo ruim, ele indica que seria uma “etapa necessária”.
      Socialismo é utopia…

      • Peroni disse:

        Ou seja: Só mesmo louco para acreditar nas ideias de marx.
        Como alguém pode defender uma ideologia nefasta como essa?
        Sincermente, só acredito em duas hipóteses: falta de conhecimento ou patologia psiquiátrica.
        Faltou uma terceira,… a má fé ou desonestidade daqueles q sabem a verdade mas enganam para chegar ao poder e levar uma vida boa.

      • Loriemarie disse:

        Marx descreveu como seria o inevitável arranjo da sociedade na etapa do “comunismo cru” ou do “comunismo grosseiro”, a qual antecede a sonhada etapa final do comunismo grosseiro.
        O curioso é que, embora ele próprio tenha constatado que a coisa não seria muito boa, ele não apenas nada fez para demover as pessoas desta ideia, como, muito pelo contrário, continuou propagando o comunismo, embora cuidando para não se estender demais nesta descrição cruenta. Tanto é que alguns manuscritos não foram publicados à época.
        Ou seja, Marx deixou claro que sabia exatamente o que aconteceria nesta etapa do comunismo cru. Por isso, para não afugentar os simpatizantes, ele preferiu tergiversar com toda aquela conversa fiada sobre dialética, a qual magicamente, após todos os sofrimentos, traria finalmente o paraíso à terra.
        O que uma pessoa moral deveria fazer? Retratar-se, pedir desculpa pela ideia errada e, principalmente, começar a combater veementemente qualquer pessoa que porventura viesse a esposar qualquer ideia relacionada a comunismo. O que Marx fez na prática? Continuou advogando o comunismo — embora com um pouquinho de reticência –, mesmo sabendo exatamente quais seriam suas consequências tirânicas. Não existem adjetivos baixos o suficiente para classificar este cidadão e seus seguidores.

      • assalariado. disse:

        Peroni e Loriemarie, reafirmo o que eu disse em outros comentários anteriores. Voces não leram meus comentarios. Pior que isso, vocês nunca folharam uma pagina sequer, do livro “O CAPITAL”, de Karl Marx. Em todo caso, mostre pra galera, em que parte do livro “O CAPITAL”, isso vcs afirmam. Socialismo ou Barbárie!

  6. Peroni disse:

    Respondendo ao comentário do Assalariado, creio que a grande maioria das pessoas que se dizem comunistas o fazem por pura falta de informação realmente.
    Eu, que defendo as idéias austríacas sempre que entro em um debate ou qualquer discussão sobre política e economia dentro da universidade, sou, ironicamente, a única pessoa que conheço que de fato leu o Manifesto do Partido Comunista. É impressionante o número de pessoas que se diz “socialista”, mas que nunca chegou nem perto dos livros de Marx e Engels. Se você trouxer para o debate nomes como Kautsky ou Plekhanov então, vai assistir a um show de barbaridades. Também duvido que muitas mulheres “socialistas” tenham sequer ouvido falar na idéia da coletivização das mulheres.
    A América Latina em geral é realmente singular nesse sentido: O socialismo como projeto socioeconômico é propagandeado em cada eleição, mas os autores e pensadores comunistas nunca são lembrados. Nenhum candidato termina seu horário dizendo “procurem por Marx na biblioteca”. O motivo é óbvio: Qualquer pessoa sensata se assustaria lendo esses livros, seja ela defensora do livre mercado ou não.
    Não duvido que os candidatos e pensadores de partidos que se dizem comunistas estudem esses autores, mas a esmagadora maioria dos seus eleitores e apoiadores mal sabe reconhecer uma frase de Marx. Eles apenas lêem as cartilhas dos seus respectivos partidos. Muitos deles, inclusive, defendem idéias liberais sem se dar conta: São liberais e não sabem.
    Felizmente existe a Escola Austríaca, promovida por institutos de autores como Mises, Hayek e Rothbard. Aqui não há nada a esconder. Nenhum proto-ditador, nenhum uso aceitável de violência para se atingir uma utopia. Eu faço a minha parte recomendando vários autores para todos os meus colegas, e o resultado tem sido surpreendente.Sabe o que mais me impressiona? Na nossa sociedade quem adora Hitler, o Mussolini, o capeta, etc é um monstro, e quem adora Marx, Che Guevara, Fidel, Chaves é simplesmente uma pessoa que tem visão social do mundo?
    Visão social é o escambau, isto é autoritarismo, morte, destruição, imoraldade etc.
    Como libertário tenho que respeitar o direito de livre opinião do cara ser neo-nazista ou comunista, desde que pacificamente, mas tenho nojo das duas ideologias e espero que elas sumam.
    Respondendo para a galera, é só ler Marx e tirem suas conclusões, se vc não for um retardado mental, vai chegar a conclusão da barbarie…

    • assalariado. disse:

      Peroni, perdeu a compostura. Expos sua ideologia mesquinha de sociedade, partiu para a agressão pessoal? ‘ Você afirma: “Visão social é o escambau”. Agora ficou clarissimo que adoras viver de forma individualista e mesquinha, no 7° andar do seu mundinho umbilical. Legal! Vc mostra de forma definida as diferença entre aqueles que tem visão individulaista e no oposto, os de visão coletivista. Esta sua frase definiu: “Sabe o que mais me impressiona? Na nossa sociedade quem adora Hitler, o Mussolini, o capeta, (adendo meu: não é capeta, é capeta- lismo), etc é um monstro, e quem adora Marx, Che Guevara, Fidel, Chaves é simplesmente uma pessoa que tem visão social do mundo?” Abs.

      • Peroni disse:

        Assalariado!
        Vc não passa de um covarde, a começar pelo seu codinome “assalariado”.
        A promiscuidade moderna socialista faz parte de um objetivo marxista. O objetivo do marismo cultural é este: através do relativismo moral e do hedonismo destruir o casamento monogâmico e as famílias, e substituir a estrutura familiar tradicional pelo “amor livre”, “comunidade das mulheres”, etc. Alguém ainda tem dúvidas quanto a isso? Estão aí os escritos do Marx, Engels, Fourier e outros comunistas FDP… E não me venha passar uma imagem de bom moço, aqui ninguém é retardado. Ficar rosnando contra esquerdista corriqueiros quando não é compreendido, pois trata-se de uma tarefa difícil convencer a massa que tem certa cultura,mas com lisura e astúcia ideológica a juventude poderá ser provocada,haja vista que após a velhice a coisa complica,porém é preciso paciência e afinco para com pensamento liberal porque,na bôa,conversar ou debater com marxista é de dar dor de cabeça tendo-se em vista que a alma do brasileiro pertence a Marx,e só através da educação com militantes liberais em todos os meios de entretenimento que é possíver subverter a síndrome aguda esquerdopatológica que assola o nosso Brasil.Eu era um,graças a deus mesmo vindo de família humilde convenci-me de que o liberalismo prima o tangível meio para alcançar a luz que anseiamos.
        Assalariado fake do retardado do Gílber, entenda que: A propriedade privada, pois não há outra – é o pilar de qualquer código de moral válido – é a base porque parte do princípio de que o indivíduo, como sua própria propriedade, é soberano sobre si mesmo e por extensão sobre tudo que construiu a partir, e unicamente, de si próprio. Qualquer coisa contrária é nada mais que mero sentimentalismo, desejos ditatoriais reprimidos e masturbação intelectual.
        Se quer ficar de mimimi, ao menos tenha a decência de tentar entender o que é a filosofia libertária. Se é mocinha e não tem estômago pra fazer isto, continue pagando seus “tributos” e vaza e VTNC.

      • Que vergonha Gílber, usando fake de assalariado…

  7. Peroni disse:

    Economicamente falando, o marxismo é lixo intelectual há tempos. Se ainda sobrevive filosoficamente, é porque adquirou aura de seita religiosa (coisa que, naturalmente, nunca é refutada). Nunca é demais ver as reais pretensões da doutrina, mostrar que apesar de ser cool posar de marxista, a ideia em si é bastante tenebrosa.
    E também porque é conveniente pra casta de parasitas públicos que infestam as universidades

  8. Peroni disse:

    Os defensores da liberdade são masoquistas por se darem ao trabalho de ler certos textos…

    Citação: “Em outras palavras o comunismo “enquanto negação da negação” … “é a abolição positiva da propriedade privada, da auto-alienação humana e, pois, a verdadeira apropriação da natureza humana através do e para o homem. Ele é, portanto, o retorno do homem a si mesmo como um ser social, isto é, realmente humano, um regresso completo e consciente que assimila toda a riqueza da evolução precedente”.”

    O que o comunismo dito “científico” (comunisto e científico são termos que se excluem), assim como o vulgar, propõem é o puro, simples e irreversível retorno do homem ao estado de pobreza, miséria e barbárie. Com exceÇão, claro, da casta dos dirigentes e planejadores sociais, que tomam o governo para si como instrumento da revolução, esses seres incríveis e onicientes, que conseguem saber em sua infinita e infalível inteligência o que milhões e bilhões de pessoas realmente precisam…

    O leste europeu, China, Cuba, Camboja, Coréia do Norte e outros membros do clube comunista não deixam dúvidas do imenso amor de Marx, o profeta (prometer o paraíso, nesta ou na próxima geração, não passa de profecia), e dos cruéis seguidores de sua nefasta religião pela espécie humana.

  9. Sergio Carneiro disse:

    Vejo que o autor do texto usa a divisão marxista de duas classes: O proletariado e a burguesia. Proletariado e burguesia são duas classes excludentes, ou seja, se pertencemos ao proletariado não podemos pertencer a burguesia e vice-versa. Se não houvesse uma linha nítida entre elas – as classes – não haveria a luta de classes e assim a lógica do pensamento de Mark cairia por terra.

    Vemos também que o proletariado, no texto, ganhou significado de trabalhador, ou seja, aquele que trabalha e recebe salário (sic). Logo diretores, gerentes, chefias não poderiam ficar separados dos “colaboradores”, afinal todos são trabalhadores, pois recebem salários, não importando que sejam altos ou baixos; por desempenho ou produtividade.

    Quando falamos sobre o conceito de mais-valia, remetemos a quem pertence o sistema de produção e suas relações. Sabemos que a sociedade precisa que produto/serviços sejam produzidos para atender nossas necessidades e desejos e assim produzimos do alimento ao Iphone. A grande questão é: Quem detêm os meios de produção? A resposta é: Não importa.Tanto no sistema capitalista ou no sistema socialismo o mais-valia vai existir.

    Se no socialismo o mais-valia não fosse aplicado, de onde sairia os recursos financeiros para escolas, previdência e assistência social, construção de estradas, funcionários públicos, verbas para situações emergenciais? Dos impostos, poderia responder alguns. Mas não seria uma mais-valia indiretamente embutida – através do trabalho não pago ao trabalhador? Um exemplo mais didático: Como, no socialismo, um trabalhador incapacitado de trabalhar – por idade, acidente ou doença – receberia ajuda se não fosse aplicado o mais-valia do trabalho não pago a um outro trabalhador que tivesse a capacidade de trabalha plenamente.

    O mais-valia é necessário ambos sistemas. No capitalismo o mais-valia vai para o privado e no socialismo o mais-valia vai para o estado socialista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s