Como o discurso cria “verdades supostamente indiscutíveis”? O exemplo do futebol!

O discurso, repetido à exaustão, cristaliza ideologias como se estas fossem verdades indiscutíveis. Hoje li uma matéria de uma organização marxista de esquerda em que o articulista afirma, como se fosse a mais plena das verdades, que “o Brasil é o país do futebol”. Na enunciação da matéria, fez-se crer que esse enunciado é “indiscutível”, sendo uma verdade científica “inquestionável” que revelaria um comportamento próprio da classe operária brasileira.

Ora, onde está a cientificidade que prova que o chavão “Brasil é o país do futebol” não passa de uma quimera ideológica, culturalmente, politicamente, socialmente, economicamente cultivada para envolver as massas trabalhadoras nessa ideologia supostamente “inquestionável”? A verdade é que muitas empresas capitalistas ganham em fazer o trabalhador brasileiro acreditar que o “Brasil é o país do futebol”. Clubes, TVs, Programas Esportivos, empresas patrocinadoras lucram muito com esse negócio do futebol, fazendo, não por acaso, com que um gol marcado no campeonato brasileiro seja repetido, no mínimo, umas 20 vezes ao longo dia, considerando a diversidade de programas esportivos abertos que existem. Portanto, há interesses econômicos capitalistas concretos em fazer o trabalhador brasileiro crer que “aqui é o país do futebol”.

Mas, às vezes, o real entra em choque com essa ideologia de que “o Brasil é o país do futebol”. Quando o Brasil tomou uma goleada de 7 a 1, houve um transe na torcida, pois alguma coisa dentro dos gramados não bateu com o que se diz na mídia. Como pode o “país do futebol perder tão feio”? Todo mundo ficou buscando uma explicação. A sensação coletiva foi de que essa “suposta verdade”, tão ingenuamente repetida na mídia burguesa e até por marxistas, como li hoje, está descolada da realidade. Foi uma verdade científica dura às massas trabalhadoras entenderem que “o país do futebol” tenha tomado uma goleada tão acachapante. O fiasco não condiz com a empáfia.

Onde está o erro então? No time que perdeu de 7 a 1? No técnico que escalou o time? Ou na ideologia futebolística em nós inculcada? Ora, fico com a explicação de que o erro está em acreditar na “verdade supostamente indiscutível” de que o “Brasil é o país do futebol” e que “em outros lugares não se joga futebol de verdade”. Se fizermos uma análise verdadeiramente marxista dos fatos, enxergando a conjuntura como ela realmente é e não como imaginamos que ela deveria ser, essa máxima discursiva “Brasil é o país do futebol”, na atualidade, não está correspondendo mais à verdade. Na conjuntura mundial futebolística em que estamos vivendo, nosso futebol está bem aquém da alcunha que as máximas anti-dialéticas querem nos fazer crer. A verdade inegável é que aqui se gosta de futebol, mas em diversas outras partes do mundo também o praticam com paixão, nada para nos encher de soberba. Um grande ganho para os marxistas, portanto, começaria por enxergar a realidade como ela é.

Para nosso leque de possibilidades culturais aumentarem, tanto no atletismo, na dança, na música, na literatura, em outros esportes coletivos, etc., não podemos ficar repetindo o chavão estreito de que o “Brasil é o país do futebol”. Isso seria reduzir muito o próprio horizonte cultural da classe operária brasileira. E a quem interessa o estreitamento cultural-ideológico da classe operária brasileira? Aos capitalistas aqui instalados.

Em resumo, “verdades supostamente indiscutíveis” devem ser questionadas, SIM. Na dialética da vida, todo tipo de cristalização ideológica acrítica pode nos levar a erros.

Por: Gílber Martins Duarte – Militante Socialista Livre do CSL/CAEP – Sind-UTE/Uberlândia/MG – Doutor em Análise do Discurso/UFU – Professor da Rede Estadual de Minas Gerais – Membro MEOB – CSP-CONLUTAS.

Acessem nosso Blog: www.socialistalivre.wordpress.com

cropped-w10003247_235356923332503_1987199304_n.jpg

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Galeria | Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para Como o discurso cria “verdades supostamente indiscutíveis”? O exemplo do futebol!

  1. Geraldo Almendra disse:

    É disso que eu falo, o discurso marxista, repetido à exaustão, cristaliza ideologias como se estas fossem verdades indiscutíveis.

    • Julia disse:

      Verdades ditas por esses socialistas supostamente indiscutíveis devem ser questionadas, SIM. Na dialética da vida, todo tipo de cristalização ideológica acrítica pode nos levar a erros. Diga não ao socialismo.

    • Dirceu Capelli disse:

      Um grande ganho para os marxistas alienados, portanto, começaria por enxergar a realidade como ela é. Que o marxismo ceifa toda a liberdade do cidadão. Viva a liberdade.

  2. Dirceu Capelli disse:

    E a quem interessa o estreitamento cultural-ideológico da classe operária brasileira? Aos socialistas livres aqui instalados.

  3. Rubia disse:

    A melhor propaganda anti-comunista é deixar um comunista falar.

    • Idilio disse:

      A dureza é que os marxistas em geral, são muito curtas de entendimento e lógica.

    • Querencio disse:

      Nem sempre!Os comunistas já dispõem do aparato de líderes de campanhas e só falam do que lhes convém o restante aplica depois de eleito. E dizem: tchau, tchau babacas…

    • Querencio disse:

      Tenho medo daqueles que só olham as imagens num livro, jornal… esses são faceis de convencer com imagens bonitinhas na tv e dilma terá o maior tempo para enganar os enganados.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s