PCB e PCdoB

Os companheiros Igor Grabois e Edmilson Costa elaboraram um longo artigo procurando estabelecer as diferenças entre essas duas agremiações políticas: PCB e PCdoB. Infelizmente, o referido escrito aborda a questão por um viés completamente equivocado. Para tornar os fatos às claras, recorramos à história, sem distorcê-la, sem falseá-la.

Os movimentos socialistas, ou seja, os movimentos operários, de natureza explicitamente anticapitalista, inicia-se no Brasil, em fins do século XIX e começo do século XX pelas mãos dos imigrantes italianos, espanhóis e portugueses que trazem em suas bagagens uma significativa literatura anticapitalista.
São eles, rigorosamente, que organizam uma imprensa proletária de peso, ao mesmo tempo em que organizam sindicatos e promovem sucessivas greves, particularmente, no eixo Rio/São Paulo.

Só, posteriormente, com a vitória da Revolução Russa, em 1917, é que autores socialistas distintos, como Marx, Lenin, Trotsky, e outros mais, passam a ser conhecidos dos referidos militantes, até então chamados de anarquistas, cuja leitura estava voltada para as obras de Proudhon, Bakunine e outros pré- maxistas. Alguns desses militantes, após um processo de leitura e debates, aderiram à nova corrente socialista chamada de marxista.

Em março de 1922 foi fundado o Partido Comunista do Brasil, através de um congresso onde participaram 09 delegados, representando setenta comunistas de todo o país. Os fundadores, atendendo ao chamamento da recém-criada Terceira Internacional Comunista e acatando as 21 condições impostas para a adesão a essa nova organização política de caráter mundial, apressam-se em formalizar o PCdoB.

Esse partido, em 1922, era claramente anticapitalista. Ostentava a bandeira vermelha e tinha, no hino da Internacional, o seu canto de guerra. Mesmo assim, não deixou de praticar a intolerância movendo uma sinistra campanha caluniosa contra um militante dissidente brasileiro, que teve a suprema audácia de apartear o então todo poderoso Leon Trotsky. Esse triste episódio é fartamente retratado no livro “Um cadáver ao sol”, que discorre sobre o drama vivido por Bernardo Canela, e que já era um sinal explícito do stalinismo em gestação, que não tolerava qualquer tipo de dissidência. Mesmo com algumas distorções, o PCdoB de então, se mantinha dentro de uma postura revolucionária. Mas, com a vitória da contrarrevolução, em escala mundial, a URSS, então autoproclamada “Pátria mãe do socialismo”, sucumbiu diante dos fatos, para inspirar uma política de conteúdo social patriota ou nacional reformista, e isto se consolida no 6º Congresso da Terceira Internacional, acontecido em meados de 1928.

A partir daí, dá-se uma completa virada para a direita. A bandeira vermelha é substituída pela bandeira verde e amarelo; o hino da Internacional é substituído pelo Hino Nacional ou o Hino da Independência, para os mais “radicais”, sobretudo em seu verso: “Ou ficar a Pátria livre, ou morrer pelo Brasil”.

A proposta socialista foi atirada aos ventos. Assumiu-se a tese da revolução democrática burguesa em torno de um elenco de reformas e da reivindicação por soberania nacional, reivindicação inexequível diante do caráter global do imperialismo.
O PCdoB, apesar do rótulo, deixou de ser realmente comunista para se tornar uma corrente política de sustentação do capitalismo, seguindo, assim, os interesses mesquinhos de Moscou.

Isso não se deu, porém, apenas em nível de Brasil. A guinada para a direita, a capitulação, deu-se em escala mundial, e a Terceira Internacional foi convertida em linha auxiliar de manutenção do capitalismo de Estado na URSS. É oportuno, entretanto, ressaltar que essa virada à direita não aconteceu sem um crucial embate. Pelo contrário, muito sangue foi derramado antes que houvesse a completa capitulação.

Vitoriosa a contrarrevolução na URSS, o nível teórico foi rebaixado ao rés do chão. Através da Academia de Ciências promoveu-se um verdadeiro estupro político/ideológico sob o carimbo do maxismo-leninismo. A contradição entre classe opressora versus classe oprimida deu lugar à contradição, nação opressora versus nação oprimida, que se tornou a questão central, o móvel de toda a ação política.

A URSS, autoproclamada Pátria-mãe do socialismo, como já foi dito, e a Terceira Internacional Comunista, que houvera sido criada com o propósito de reanimar a revolução mundial, foi transformada em instrumento de defesa dos interesses estritamente soviéticos, a qualquer custo, e isso foi feito com o sacrifício do avanço revolucionário.
Os partidos filiados à Terceira Internacional interpretavam o papel de sucursais de Moscou, a partir de suas ações subalternas. O grande ideal dos burocratas de Moscou, que detinham o poder de Estado, através do partido único e ultracentralizado, se consubstanciava num pretenso congelamento da história com o mundo dividido em áreas de influência, dentro de uma hipotética divisão entre dois blocos: um mundo capitalista decadente e um mundo socialista ascendente, e isso não passava de uma tremenda mentira que alguns insistiam, e ainda insistem, em mantê-la, por desinformação ou má fé.
Os interesses de Estado estavam acima de tudo e é, em nível dele, que se perpetraram severas ações contrarrevolucionárias ao redor do mundo, valendo ressaltar dois dolorosíssimos episódios. O primeiro, foi o papel que jogou Moscou para permitir o triunfo do fascismo franquista durante a guerra civil naquele país. O outro triste fato foi a política da Terceira Internacional diante da ascensão do nazismo na Alemanha, que culminou com um pacto de não agressão, firmado pelos governos de Hitler e Stalin.

Contra o nazifascismo ergueu-se o imperialismo democrático representado pela Inglaterra, Estados Unidos e a França, no exílio. Depois que a Alemanha quebrou o pacto de não agressão e invadiu a URSS, é que Stalin se viu na contingência de enfrentar os agressores levantando, não a bandeira do socialismo, mas a bandeira da “grande guerra patriótica”.
Posteriormente, por força das contradições impostas pela realidade objetiva, “o bloco socialista” passou a sofrer fissuras políticas. De um lado emergiu o kruchevismo propondo a coexistência pacífica e o caminho gradualista e institucional para se chegar ao poder. Era a esdrúxula tese do caminho pacífico para o socialismo que fez jorrar muito mais sangue do que os conflitos insurrecionais.

Contra essa tese kruchevista brotou, com ímpeto, o discurso da luta armada, patrocinado pela China, sufocada em suas gritantes dificuldades.

De repente, passam a existir duas correntes de um suposto movimento comunista internacional. Os kruchevistas, tachados de revisionistas, e os maoístas, tidos como revolucionários, embora não restabelecessem o discurso da luta de classe e, sim, o conceito de libertação nacional, a partir da insurreição do campo cercando a cidade, da periferia cercando o centro vital do capitalismo.

Essa disputa, de caráter tão raso, passou a marcar a ”esquerda stalinista” amplamente hegemônica e foi por aí que se deu a dissidência no velho PCB, renascendo, então, a sigla PCdoB, encarnando uma posição que se apresentava como revolucionária, na medida em que o conceito de revolução ficou reduzido ao uso ou não das armas.

É claro que o PCdoB descambou, hoje, para o mais sórdido fisiologismo, vendendo seu trabalho aos interesses do capitalismo no Brasil. Porém, o velho PCB, apesar de uma autocrítica parcial, apesar de se assumir anticapitalista, o que é um grande avanço, nega-se em pôr o dedo na ferida. O velho PCB não reabre a discussão sobre o conceito leninista de partido. Pior ainda, não põe em discussão as nefastas resoluções do X Congresso do PC Russo, acontecido em 1921. Na verdade, em matéria de autocrítica, o PCB faz uma “meia sola” e não vai ao centro da questão, assim como a dissidência trotskista da Terceira Internacional não avançou no sentido de romper os laços com os reais fundamentos do stalinismo como são: o ultracentralismo; o monolitismo; o conceito de partido da revolução, e outros tantos equívocos.

Frutos do mesmo ventre, PCB, PCdoB e o trotskismo compõem uma esquerda que, de formas diferentes, entretanto convergentes, contribuíram e contribuem, na essência, para a sobrevivência de um capitalismo exaurido, mas gozando de ampla hegemonia política. Em razão disso é que, há muitos anos, estamos clamando pela necessidade de uma outra esquerda, cuja matriz seja o explícito anticapitalismo e o expurgo radical e todas as formas de stalinismo, restabelecendo-se o livre debate.

Por: Gilvan Rocha, escritor socialista, articulista, membro do CSL – COLETIVO SOCIALISTAS LIVRES e Presidente do CAEP – Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Acessem nosso Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com.br

1779842_228391594029036_1036901415_n

 

Acessem nosso Blog:  www.socialistalivre.wordpress.com

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Galeria | Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , . Guardar link permanente.

21 respostas para PCB e PCdoB

  1. Nikolaievitch Smirnov Sokolov Morozov Popov disse:

    Resumidamente esse velho cearense caquético quer um novo socialismo, o puro, o que distribui misérias igualitárias e riqueza para meia dúzia do partidão, e os contrários vão tudo para o paredão. Passo mal só em olhar a foice e martelo. Deveria ser proibido este símbolo, assim como eh o dos nazistas. Afinal, a União Soviética exterminou muito mais humanos, incluindo judeus, do que Hitler. Deveríamos buscar ajuda de judeus para proibir este símbolo também.
    O QUE MESMO O TERRORISTAS, DILMA, DIRCEU, GENOÍNO, LUTARAM MESMO???? COMUNISTA É TUDO FARINHA DO MESMO SACO. NÃO SE ENGANEM.

  2. Nikolaievitch Smirnov Sokolov Morozov Popov disse:

    Enquanto você trabalha arduamente, estes bandidos SOCIALISTAS roubam seu dinheiro para promover coisa alguma em nome da continuidade de sua dominação!

  3. Professora Magda Wernersbach Ziemann disse:

    Comunistas negam a natureza socialista do nazismo, mas na Europa, mostram sua verdadeira face! O Partido Nacional Bolchevique foi fundado em 2010 na Russia, mesclando elementos do nazismo (nacionalismo e racismo) com o comunismo (revolução proletária e luta de classes). Eles possuem influências de ex-comunistas dissidentes do Partido Nazista que tenderam para o lado do comunismo como Hermann Ehrhardt , Otto Strasser e Walther Stennes. Este partido é inclusive apoiado pelos comunistas da USP: http://liberdadeeconomica.com/home/2013/10/13/comunismo-x-nazismo-conheca-o-partido-comunista-nazi-que-e-apoiado-pela-usp/ e http://en.wikipedia.org/wiki/National_Bolshevik_Party

  4. Russell Kirk disse:

    O novo perfil do idiota útil: universitário na faixa entre 20 e 30 anos que nunca trabalhou, estudou em escola privada, seu pai pagou seu pré-vestibular, estuda em uma universidade federal a custas do resto da população que paga para estudar, mesmo tendo meios de pagá-la. Só fará estagio se a universidade exigir e provavelmente só procurara um emprego (se procurar) anos depois de formado. Sai pra balada com dinheiro da mesada. Anda com roupas de grife, nunca entrou numa periferia, defende ditadores, genocidas, ladrões e mentirosos. Leu no máximo o Manifesto do Partido Comunista e odeia Mises sem ler qualquer uma de suas obras. Detesta a meritocracia possuindo um descaso com os resultados. Incompetente, não terá emprego no setor privado, forçado a trabalhar como um professor ativista que doutrina ao invés de ensinar. Na melhor das situações, será um funcionário publico que nada faz, falta sempre e se considera injustiçado pelo sistema capitalista que lhe é adverso de seu gabinete confortável. Ele não produz nada de útil, mas deseja que aqueles que produzam dividam com ele, mesmo que tenham uma história de esforço, sofrimento e vitória. Sua alma é repleta de inveja, frustração, e de uma inclinação ao roubo – o que disfarça com um discurso demagogo e hipócrita.

    • Michele disse:

      Tem certeza que é o novo?
      Porque isso descreve todos os idiotas uteis da minha geração que viraram professores. Igualzinho a esse retardado, babaca do Gílber e o velho caquético cearense Gilvam,

    • Nikolaievitch Smirnov Sokolov Morozov Popov disse:

      Falou o que eu penso destes filhos da puta. Por isto acabam optando pelo homossexualismo e por serem currados, já que as bolas que eles tem, são meros enfeites decorativos. Eu tenho bolas no saco, por isto eu sou um SELF MADE MAN SHOCK AND AWE. Para ser assim, você tem que ser muito macho, coisa que estes pederastas NUNCA SERÃO.

    • Alvarez disse:

      Se eles só quisessem que fosse “dividido” com eles estaria bom. Mas o que querem mesmo, no fim das contas, é ficar com o que foi produzido E com a riqueza que foi gerada… E ALÉM DISSO ainda fuzilar o responsável pela geração de riqueza — acabando assim com sua própria galinha dos ovos de ouro.

      Ou seja: um tiro no pé, como cada um dos pontos que esse pessoal defende.

      • Adelita Aguilar disse:

        O socialista é como um analfabeto que tenta falar como poliglota. Para aqueles que não estão acostumados com a linguagem.

  5. Adelita Aguilar disse:

    Este aí, Gílber e a Dilma ptralha são farinha do mesmo saco, apenas uma divergência interna de uma mesma quadrilha!!

    • Katiane disse:

      “O socialista é como um analfabeto que tenta falar como poliglota. Para aqueles que não estão acostumados com a linguagem”

      Calma, precisei rir! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk Quanta baboseira…

  6. Russell Kirk disse:

    Este tema não entraria em pauta na comunidade se não fosse o fato de que os partidos socialistas defensores de bandidos são os principais opositores da redução da maioridade penal. Fonte: http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,adolescente-mata-ex-namorada-e-divulga-video-pelo-celular,1140117,0.htm

  7. O fracasso do socialismo como princípio de ordenamento social é hoje evidente para qualquer pessoa sensata e informada — o que exclui, é claro, os socialistas. Estes, porém, insistem que o malogro coletivista foi um mero acidente histórico, que a teoria é fundamentalmente correta e que pode funcionar no futuro, se presentes as condições apropriadas.
    A teoria econômica (para não falar dos fundamentos filosóficos, éticos, sociológicos e políticos!) do socialismo é insustentável em seus próprios termos, e que ipso facto os resultados calamitosos constatados pela experiência histórica são, e sempre serão, uma consequência inevitável de uma ordem (rectius: desordem!) socialista. Não é preciso enfatizar a importância de se ter plena consciência da natureza perniciosa dessa corrente política e de suas funestas implicações, uma vez que em nosso país um poderoso movimento totalitário está muito próximo de tomar o poder.

    • Nikolaievitch Smirnov Sokolov Morozov Popov disse:

      só na América latina ainda tem comunista babaca feito esse Gílber mentecapto.Nem em Pequim tem nenhum mais.

      • Rodolfo Aurich Balzer disse:

        Qual é mesmo o maior pensador estudado em praticamente todas as universidades do mundo ?….deixa ver……ahh MARX. kkkkkkkkkkkkkkk…..

  8. Professora Carmilta Castro disse:

    Que ninguém jamais se deixe iludir pela figura franzina e “humilde” que é o Mujica atualmente. Ele foi TERRORISTA e hoje está à frente do Foro de São Paulo, aquela organização comunista criada pelos vermes lula e fidel castro, para comunizar toda a América Latina. Ele é amiguinho de TODOS os comunas e terroristas como: DILMA ROUSSEFF, LULA, FIDEL, CRETINA KIRCHENER, EVO MORALES, MADURO. Uma vez terrorista, sempre terrorista. Terrorista nunca deixa de ser, apenas entra em stand by.

    Estuda brasileiro, pesquisa, procura saber sobre o passado das pessoas, para não correr o risco de idolatrar CRIMINOSOS.

  9. Provar que na economia de mercado não existe mais-valia nem exploração, todavia, não é o mesmo que dizer que a exploração não existe. Existe. Ela ocorre quando somos forçados a dar alguma coisa em troca de nada, como no caso dos tributos recolhidos pelo estado. O estado é a máquina perfeita de exploração. E o marxismo, por conferir um poder absoluto ao estado, é o veículo insuperável da exploração sistematizada.

    A doutrina socialista por ser intrinsecamente falsa leva inevitavelmente a uma perversão e inversão do sentido das palavras, como notou Orwell — por ironia ele mesmo um socialista convicto. Liberdade é escravidão e escravidão é liberdade; democracia é ditadura e ditadura é democracia; cooperação voluntária é coerção e coerção é cooperação voluntária. O estado socialista é dono de tudo, o que traduz a triste realidade de que os que comandam o governo são os senhores implacáveis, os proprietários absolutos dos comandados. Socialismo é mais do que uma restauração da escravidão; é seu aperfeiçoamento e culminância.

    Pouca gente sabe sobre o que realmente é a ideologia maligna do socialismo pois a intelligentsia de esquerda bloqueia a sua divulgação. É uma vergonha, pois uma das tarefas principais dos intelectuais — os que se dedicam ao estudo das idéias — deveria ser justamente a de esclarecer a sociedade a respeito das idéias certas a serem adotadas para o bem comum, e advertir do perigo de se aceitar teorias erradas. Mas não é isso que acontece, infelizmente.

    Parece que os intelectuais sofrem de uma propensão irreprimível para o socialismo, certamente porque nele vislumbram a chance de empalmar o poder absoluto em causa própria. Em termos marxistas, o próprio marxismo não passa de ideologia, a falsa consciência, que uma classe — a intelligentsia — difunde em função de seus próprios interesses. Essas falsas idéias se propagam e iludem — alienam — as futuras vítimas da classe “revolucionária”. É um dever inadiável de todo cidadão consciente denunciar esse esquema podre, desmascarar a falácia socialista e esclarecer a opinião pública na medida de suas possibilidades.

    Um ótimo final de semana a todos.

    Abraços

    Gladimir

    • Professor Vladimir Enko Korolenko disse:

      No final do século passado pelo esgotamento de argumentos positivos a arbitrarem defesa favorável à manutenção do regime socialista, fê-lo desabar na pátria que o colocou em prática, permanecendo com esse sistema político-econômico-administrativo tão somente os pequenos países cujas liberdades cidadãs, pela insignificante parcela populacional, foram tolhidas pela força ao exercício da liberdade política.

      Cito as pequenas Cuba e Venezuela; a insignificante Bolívia e, desapontado, o Chile, do que se valem, agora via gramascismo, os socialista do PT, para estruturar essa falida hegemonia.

      Deixaram-nos sem estudo superior de qualidade, que ocorreu somente com uns poucos cidadãos privilegiados. Tão dramático é isto, que calculo uma insignificante minoria entendendo a situação política acima descrita em tão poucas linhas.

      Ao meu ver, há uma trágica contradição a emergir de nossas urnas (infelizmente eletrônicas), onde o concordar com tudo injeta na política brasileira falsas premissas da boa política republicana/democrática.

    • Alvarez disse:

      Não sou economista, mas psicólogo de formação que teve na universidade toneladas de análises marxistas sobre exploração, alienação, etc. Não é difícil perceber que o marxismo de tornou desde o princípio uma arma ideológica para que seus soldados avancem para a tomada de poder (seja ele macro – uma nação – ou micro – a direção de alguma instituição com viés esquerdista). Percebe-se que o cerne da teoria marxista está na crítica ao capitalismo referente à exploração do trabalhador, calcada na teoria da mais-valia.
      A propósito os textos do Gílber e Gilvam quantas contradições, quantas confusões … É isto que resultou da tal dialética do marx-xiismo? A vaidade e o orgulho a excitar o intelecto transvia a Alma.
      A propósito, é de Marx a ideia de que a religião é o ópio do povo?
      Marx era ateu?
      Nada contra os ateus mas não seria o ateísmo mais propício à moral resultante do socialismo e daí suas consequências éticas ? Por exemplo, o terror citado no texto.

      P.S.: imperdível a leitura de ” Um Marxista Coerente” presente na obra do Rodrigo Constantino, Economia do Indivíduo: o legado da Escola Austríaca.

    • Julio Cesar Moura disse:

      Gladimir, o jurista, Ives Gandra Martins, bem que poderia ser o nosso INTERVENTOR, pois, é uma pessoa respeitada pelos brasileiros e ninguém tem dúvida de que ele tem notório saber e caráter. A INTERVENÇÃO MILITAR é isso: Forças Armadas, amparando um INTERVENTOR, que, cumprindo a vontade do povo, depõe o governo, manda prendê-lo, assegura um julgamento justo (por improbidade, lesa-pátria, etc) e convoca novas eleições para daí no máximo 60 dias, não podendo ser ele mesmo, um candidato. A função do INTERVENTOR, é restabelecer a ordem e a das Forças Armadas, dar-lhe garantia de vida e segurança máxima, para que ele cumpra sua missão. INTERVENÇÃO MILITAR NÃO É GOLPE e está previsto na Constituição Federal. Basta que a população queira.

  10. Questões Relevantes disse:

    Prezado Gilvan, gostei bastante da panorâmica que você fez da chegada e desenvolvimento das ideias socialistas no Brasil, mas discordo totalmente da conclusão, que levada a ferro e fogo contradiz frontalmente o conceito de liberdade individual. Gostaria de sugerir um artigo meu que faz o contraponto com o seu: http://questoesrelevantes.wordpress.com/2014/02/09/liberdade-democracia-e-marxismo-estranho-fetiche/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s