Palestra: Análise Materialista do Discurso voltada para a construção de uma Educação Crítica

Neste sábado, 21 de setembro de 2013, às 15:00, em Belo Horizonte, no Acampamento dos Educadores do Sind-UTE/MG, em frente ao Palácio das Mangabeiras, residência oficial do Governo de Minas, dando sequência às diversas atividades que tem sido realizadas nesse acampamento de luta e resistência contra os desmandos do governo mineiro, estaremos contribuindo com a palestra sobre o tema “Análise Materialista do Discurso voltada para a construção de um Educação Crítica”. A palestra será proferida por mim, Gílber Martins Duarte, Doutorando em Análise do Discurso pela Universidade Federal de Uberlândia. Todos os companheiros e companheiras de luta que sabem da importância da associação entre teoria e prática, tanto para o desenvolvimento de uma Educação Crítica, quanto para a maior clareza de nossas militâncias políticas, estão convidados para realizarmos um proveitoso debate teórico-político.

Por: Gílber Martins Duarte – Socialista Livre – Conselheiro do Sind-UTE / MG e diretor da subsede do Sind-UTE em Uberlândia – Professor da Rede Estadual de Minas Gerais – Doutorando em Análise do Discurso/UFU – Membro da CSP-CONLUTAS.

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Palestra: Análise Materialista do Discurso voltada para a construção de uma Educação Crítica

  1. Allyne disse:

    MUITO BEM,PROFESSOR!

  2. A educação como mercadoria.
    Uma recente pichação no campus sede da Universidade Estadual de Maringá diz que “educação não é mercadoria”. Parece que também haverá uma palestra sobre isso e, se não me engano, existe até uma campanha sobre o tema rolando por aí.
    Bom, enquanto constatação de fato, parece-me que é verdade que “educação não é mercadoria”. No Brasil, não existe espaço para um livre mercado da educação, porque o Leviatã dita as regras para tudo quanto é curso e ainda ocupa o sistema de todos os lados, seja ofertando cursos gratuitamente seja injetando recursos em instituições privadas.

    Acontece que a pichação que eu citei é normativa, e não uma descrição factual. Ela quer dizer que a educação não deve ser uma mercadoria. E aí eu pergunto: ora, e por que não?

    Ter a educação como mercadoria significaria apenas e tão somente que um determinado conteúdo ou uma determinada competência poderia ter seu ensino livremente ofertado por aquele que se julgasse em condições para tanto, em troca de um preço por ele estipulado, ao passo que o interessado em adquirir aquele conteúdo ou competência poderia livremente aceitar a oferta se desejasse pagar o preço estipulado. Que mal há nisso? Acaso é a educação alguma espécie de bem sagrado que não poderia receber um preço? O educador teria que educar por uma espécie de sacerdócio, sem receber para tanto? Por quê?

    Se há um problema normativo com relação à educação, a meu ver, ele está representado pela tirania do estado, que determina, acima dos pais, o que devemos aprender, quando e como. Dado que os estatistas julgam que o estado sabe melhor do que o indivíduo o que é o melhor para ele próprio, eles também julgam que haveria um grande mal em deixar os indivíduos decidirem quais conhecimentos desejam para si e para seus filhos.

    Pois eu julgo que negar esse direito ao indivíduo é justamente tomar o cidadão como uma criança a ser tutelada pelo pai estado. Ao decidirem que a educação não pode ser mercadoria, decidem que o cidadão sequer pode decidir se quer ou não ser educado. Ele é forçado a pagar pela educação na forma de impostos, é forçado também a recebê-la e ainda a recebê-la de uma dada maneira.

    Nada pode ser mais avesso à liberdade individual do que um estado educador. Portanto, se tivermos que fazer algum reclame sobre a educação, que seja para que ela se torne, sim, mercadoria. Um estado que tutela seu povo pretendendo que isso seja um meio para o fim de esclarecê-lo não passa de uma grande farsa.

  3. Gílber!
    A exemplo do Chile o melhor sistema educacional da América Latina. Foi repassado vouchers, para as famílias pobres colocarem seus filhos em escolas particulares.
    A diferença se a universidade é pública ou privada, o currículo é o mesmo e quem o define é o estado (o MEC). Ou seja, a educação atual, seja em instituição pública ou privada está sob total comando do estado, e é isso que tem de ser combatido.

    A discussão que coloquei é muito mais avançada do que esta tola picuinha sobre pública versus privada. A questão toda é educação estatal versus educação autônoma e de livre mercado.

    E como toda mercadoria quanto maior liberdade para a entrada de concorrentes menores tendem à ser os preços e maior tende à ser a qualidade ao longo do tempo.

    Hospedagem de site por exemplo, é cada vez mais barata e cada vez mais cheia de recursos para facilitar a vida de quem contrata o serviço.

    Além disso educação pode se tornar MUITO barata com o uso da tecnologia, professores podem gravar aulas e vender o acesso à elas por um preço bem baixo, é só um exemplo, tem muito mais possibilidades.

    Tem até vídeos educativos de graça hoje em dia, como os do Khan Academy.

    Interessante…. já pensou em verificar com próprio povo o que ele tem interesse em aprender e qual futuro ele quer como seu? Ou você quer ditar o futuro dele também? Pois é o que me parece.
    Peço que saia da sua caverna fantasiosa e respire o ar da realidade popular, este ar que você não consegue conceber existência, pois na sua caverna vive-se de ilusões.

    Por que não haverá oferta de aprendizado aos mais pobres? Seja essa escolar ou doméstica? Convencionou-se mundialmente que é preferível aos pais que paguem ensinos básicos aos filhos que qualquer coisa, como verificado em Gana e Paquistão. Se há um impedimento para as escolas “para pobres” é meramente o próprio Estado, que impõe regulações das mais variadas e fortes cargas tributárias ao setor. Como evidência disso, é a existência em áreas quaisquer do RJ de escolas não registradas no MEC porém cobrando preços acessíveis e apresentando cadernetas de conteúdo vastamente superiores às que seguem o regulamento à risca.

    Livre mercado para a educação já!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s