Polêmica: Nem o centralismo “cupulocrático” do PSTU, nem o voluntarismo “direitizante” de algumas figuras públicas do PSOL.

Mail do autor: gshaibabibi@gmail.com

Foi alardeada nas redes sociais a aliança “direitizante” que o candidato do PSOL está tentando construir em Macapá para o segundo turno. Obviamente, buscar apoio eleitoral e fazer concessões a setores do DEM e do PSDB é um escândalo para todos os Socialistas Convictos, como nós o somos. Tal prática política é reflexo do voluntarismo “direitizante” de algumas Figuras Públicas do PSOL, que, sobretudo, revelam-se, agindo dessa forma, que estão adaptando-se à ordem capitalista, e, nesse caso específico, não servem como agentes da revolução, mas, sim, como agentes da reprodução das relações de produção capitalistas.

Ora, enquanto Socialista Livre, apoio os partidos da esquerda socialista: PSTU, PSOL, PCB e PCO. Contudo, sendo também Socialista Livre, sinto-me livre para discutir francamente, sem camisa de força nenhuma, os erros contra-revolucionários que, porventura, tais organizações cometam. E é um desvio “direitizante” grave apoiar essa aliança desse candidato do PSOL com setores da direita, simplesmente para se ganhar uma prefeitura. Esperamos e torcermos francamente para que os militantes do PSOL revertam internamente esse erro grave e digam não ao voluntarismo “direitizante” de algumas de suas figuras públicas.

Porém, queremos aqui também criticar outra falácia, também divulgada nas redes sociais, que alguns militantes do PSTU começam a fazer circular sempre que militantes isolados do PSOL cometem desvios “direitizantes”. Começam a ser simplistas e a anunciar que, no PSTU, “tudo é perfeito”, porque lá tem Centralismo Democrático e com o tal Centralismo tudo está resolvido. Doce ilusão. Fui militante durante 18 anos do PSTU até este presente ano de 2012 e também acreditei nessa ilusão do Centralismo Democrático como cura para todos os males.

Qual o problema e qual a falácia desse discurso? Na verdade, no PSTU, não existe esse tal de Centralismo Democrático perfeito, rezado pelos militantes em suas cartilhas revolucionárias. Lá a direção do PSTU manda e a base tem de obedecer, trata-se de um Centralismo “Cupulocrático”, ou seja, a cúpula da Direção Nacional do PSTU manda e ninguém, na base, tem o direito de criticar os erros dessa direção. Se você criticar erros da direção nacional publicamente você é simplesmente excluído do partido. No PSOL, a base não controla suas Figuras Públicas, isso é verdade, mas, no PSTU, a base também não tem direito de controlar e criticar sua Direção, porque, se você o fizer, a Direção dá um jeito de tirar você do partido. Isso é democracia? Isso ajuda em alguma coisa? Não. É trocar seis por meia-dúzia, como diz o bom ditado popular.  

Na prática, para dar exemplo concreto desse Centralismo “Cúpulocrático” do PSTU, repito aqui, nesse Blog, como já o mostramos em outros artigos anteriores, o caso que se deu comigo, quando, este ano, fui excluído do PSTU, porque critiquei a falta de Democracia Operária da Direção Nacional do PSTU no Congresso da CSP-CONLUTAS. Portanto, quero desmistificar e questionar o ponto cego desse discurso de militantes do PSTU quando afirmam que o Centralismo ali existente resolve todos os conflitos. Não é verdade. É um Centralismo “Cupulocrático” que exclui militantes honestos como eu, quando não aceitamos desvios graves da direção.

Outro exemplo do Centralismo “Cupulocrático” da direção do PSTU. Muitos militantes honestos e sinceros do PSTU discordaram do partido se aliar com o PC do B / PSOL em Belém. Não quero entrar no mérito sobre quem estava certo ou não, se a direção nacional do PSTU ou a base descontente do partido. Mas uma coisa é certa: não houve espaço dentro do partido para a base decidir se essa política “cupulocrática” da Direção Nacional estava certa ou não. A direção simplesmente tomou a decisão e pronto. Daqui dois anos, no próximo congresso, talvez alguns militantes isolados possam fazer alguma crítica sobre essa aliança, mas, na prática, ficou do jeito que a Direção Nacional do PSTU quis. Ninguém da base tem o poder de criticar e de mudar as práticas cotidianas do partido, quando os militantes as consideram equivocadas. Eu tinha ilusão de que isso poderia ocorrer no Centralismo do PSTU, mas provei, na prática, que a cúpula não é controlável pela base. É o mesmo problema que militantes do PSOL estão sofrendo com algumas de suas Figuras Públicas quando estas resolvem cometer equívocos. Como corrigi-las? Como controlar as Hierarquias Políticas?  Eis a questão.

Na prática da luta socialista, compreendi uma dura lição e quero compartilhá-la, aqui, com todos os socialistas honestos e convictos como eu: NÃO EXISTE NENHUMA ORGANIZAÇÃO SOCIALISTA PERFEITA. Todas as organizações políticas estão sujeitas a cometer erros graves, seja o PSTU, PSOL, PCB, PCO e outros. Diante dessa caracterização prática no seio da Esquerda Socialista, temos defendido a seguinte tese: a convicção socialista, a convicção do princípio de que só o socialismo muda nossa vida, a convicção na plena liberdade de crítica, a convicção de que a luta da classe trabalhadora é a luta de todos os socialistas são os fatores decisivos. Temos um artigo nesse Blog que se intitula: “Em defesa da Convicção Socialista”. Esse artigo não é por acaso. Não existe vacina contra os desvios não revolucionários que aparecem no seio das organizações da Esquerda Socialista. Somente nossa convicção socialista pode nos ajudar a NUNCA apoiar práticas políticas que ajudam a reprodução das relações de produção capitalistas ou que ajudam na burocratização das organizações da Esquerda Socialista.

Com essa experiência política, advertimos: mesmo que você faça parte de alguma organização política da Esquerda Socialista, Seja Socialista Livre, isto é, não se submeta às práticas políticas equivocadas de suas direções simplesmente para ficar bem com o grupo partidário. A revolução socialista não será obra de submissos, ao contrário, será obra de rebeldes, de livres, de lutadores sociais críticos que não se calam perante a opressão, perante a exploração, perante o atraso, perante os obscurantismos, perante os autoritarismos, perante as práticas políticas equivocadas, mesmo que os equívocos ocorram no seio da Esquerda Socialista. Leiam outros artigos em nosso Blog que discutem esses problemas. Saudações Socialistas Livres.

Acessem nosso Blog: http://www.socialistalivre.wordpress.com

Anúncios

Sobre socialistalivre

Esse Blog está a serviço da Luta pelo Socialismo. Defendemos a plena liberdade do ser humano, mas somos radicalmente contra a liberdade de explorar, como a burguesia faz, e contra a liberdade de oprimir como os machistas fazem, os racistas fazem, os homofóbicos fazem, os praticantes de bullying fazem, os preconceituosos fazem, os possessivos fazem e os autoritários de plantão fazem. Assim, defendemos que cada corpo-consciência deve ter liberdade de ser o que ESCOLHE SER, desde que esta liberdade não oprima e explore os outros! Defendemos a plena liberdade de postura crítica e a plena democracia operária, todos devem ter o direito de expressar o que pensam! Defendemos a Revolução Socialista e a necessidade de libertação da classe trabalhadora do jugo do capitalismo. No entanto,somos contra comandos de hierarquias políticas ou de figuras públicas mais poderosas no seio dos lutadores que travam a batalha pelo socialismo. Defendemos que cada militante deve ousar pensar por si mesmo, cada militante deve ter o direito de concordar, mas também de discordar daquilo que julga equivocado, por isso nos definimos como Socialistas Livres e esse Blog está a serviço dos que desejam militar de acordo com essa concepção. Convidamos a todos a conhecerem nosso jeito diferente de entender e de praticar a política socialista, com liberdade, democracia operária, direito de crítica e respeito ao diferente. Saudações Socialistas Livres.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

9 respostas para Polêmica: Nem o centralismo “cupulocrático” do PSTU, nem o voluntarismo “direitizante” de algumas figuras públicas do PSOL.

  1. Geraldo disse:

    Cara, lugar de criticar direção de um partido é nos organismos do partido não publicamente. Senão não é centralismo.

  2. Fernanda disse:

    Isso que tá nesse texto é verdadeiro. Tenho um amigo que era do PSTU e ele e outros tantos (não sei o número exato) saíram do PSTU no Pará devido a esta prática da cúpula decidir tudo e empurrar para eles a decisão e depois ainda dizer que lá existe democracia. Abaixo segue o documento que ele enviou para o partido e contatos explicando os motivos de sua saída.

    A Direção Regional do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado no Pará

    Aos militantes do núcleo em Santarém

    Venho por meio deste documento formalizar e tornar pública a minha saída das fileiras do Partido Socialista dos Trabalhadores Unificados (PSTU) em razão da tática eleitoral do partido adotada para as próximas eleições municipais na cidade de Belém.
    Já é de público que o partido decidiu ampliar em Belém o seu arco de alianças para além do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) e Partido Comunista Brasileiro (PCB), estes situados no marco da oposição de esquerda aos governos de Frente Popular e da direita tradicional. No que pese estes partidos também mostrarem um giro à direita fazendo também este tipo de aliança em Belém e em outras cidades, a opção tática de aceitar uma aliança eleitoral em Belém com o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) demostra que o PSTU fez uma escolha equivocada em detrimento da sua própria construção e a de agitação do programa socialista.
    As razões que levam esta mudança de ampliação do campo eleitoral são por mim desconhecidas, mas o método marxista aponta que fundamentalmente são as condições materiais que determinam as opções políticas, e isto certamente merecerá uma análise mais profunda posteriormente. Acredito ser dispensável neste documento, especialmente ao público a qual o mesmo de destina, realizar neste momento uma caracterização sobre o PCdoB, o novo “aliado eleitoral” do PSTU em Belém.
    Esta opção de saída também ocorre em razão da completa exclusão do núcleo de Santarém das discussões que envolveram a adoção da tática eleitoral a ser adotada. No que pese a existência de um núcleo do partido com militantes que cumpriam os critérios de militância definidos pelo partido, eu e outros companheiros fomos completamente excluídos de acessar documentos, participar de plenárias e votar nas posições existentes internamente. A opção da Direção Regional de realizar um debate com o núcleo não encontra de minha parte disposição pois concretamente em nada mudará o que já foi decidido.
    Como a adoção deste método burocrático nos impediu de travar qualquer batalha interna pelas nossas posições e como não mais reconheço neste partido o método democrático para centralização, prefiro deixar suas fileiras.
    Assim sendo, comunico a minha saída do partido e encaminho a minha desfiliação e descompatibilização do Diretório Municipal Provisório em Santarém.
    Santarém, 01° de julho de 2012
    Cândido Neto da Cunha

  3. youssef ali disse:

    não estou atualmente organizado em nenhum partido, mas gostaria de saber o que criticar publicamente tem haver com centralismo democrático. quero aqui criticar o PSTU por ter mantido um militante por 18 anos e não ter dado a formação teórico-politico adequada.

  4. antesdatempestade disse:

    Sou militante do PSOL e gostei bastante do artigo, estamos militando contra estes desvios direitistas, achei bem legal a ideia: não existe partido perfeito, sim, não existe… por isto estou no PSOL, sabendo disto. Abraço

    • Toro muito, companheiro, para que vocs consigam pelo menos reduzir esses desvios de algumas figuras pblicas do PSOL. Tambm estou fazendo questo de divulgar o mtodo “cupulocrtico” da direo do PSTU, que se acha no direito de sair expulsando e excluindo todo mundo que faz crtica franca e honesta falta de democracia operria, como fizeram comigo. Essas prticas atrasadas tem de ser banidas do seio da esquerda socialista. Convido voc a acompanhar as discusses que fao no blog: http://www.socialistalivre.wordpress.com , discuto vrios temas importantes l para dialogar sobre a necessidade de avanarmos na construo de nossas prticas socialistas. Saudaes Socialistas Livres. Socialista Livre um conceito e uma conduta, podemos ser Socialistas Livres estando em um partido ou no estando em nenhum partido, o importante manter nossa liberdade de expresso, liberdade de crtica e sobretudo nossa convico socialista. Juntos na Revoluo que desejamos construir.

  5. Martinha disse:

    Com toda tranquilidade do mundo camarada, mas, o que tu propões não é novo, aliás, o PSOL é isso, já tem essa proposta. A respeito de organizações perfeitas, se tu tinhas islusão nisso durante 18 anos, ficaste cego buscando perfeição e não pôde ver a vida como ela é. Estamos num país em que a esquerda está desmantelada e o que temos de melhor, pasmen, é o PSOL e o PSTU…
    Seguir resistindo em organizações partidárias da classe trabalhadora ainda é a melhor opção, porque a burguesia, tem um objetivo comum, portanto, não precisam propagander apartidarismos de Burgueses livres, pois são uno nos momentos decisivos para manterem suas benesses sobre os ombros do povo deste país e do mundo…Para mim, esta foi uma justificativa para não estares em nenhuma organização, não use subterfúgios para deixar de fazer um debate honesto…Um dia nos encontraremos na luta, ou não!!!

  6. Luis disse:

    vc ficou 18 anos no PSTU…nestes 18 anos vc viu quantos “desvios cupulocráticos”? um monte? e então era conivente? queria agradar a cúpula? ficar bem no “grupo partidário”? ou então este foi o primeiro “desvio cupulocrático” que você viu? Aponte um dos nosso militantes ou um de nossos documentos (inclusive os internos aos quais vc teve acesso) que afirme que no PSTU tudo é perfeito? Nosso partido não é perfeito, não temos esta visão idealista, mas nos orgulhamos de lutar também para aprimorar nossa organização, nosso regime interno, lutamos na defesa da moral revolucionária…e você ficou 18 anos neste partido….? e saiu com essa concepção? que pena…acho que você não teve uma boa formação política…e por isso temos que assumir nossas culpas,,,, mas sem ser simplista, acho que o problema é outro…Na situação atual de Belem e Macapá, vc ataca duramente a direção do PSTU….e algumas de suas Figuras Públicas do PSOL “quando estas resolvem cometer equívocos”? é disso que se trata? essa é a sua concepção de partido? Na boa, saimos no lucro com a sua saída? tenho que concordar com outro colega: seu texto é patético, é desculpa pra boi dormir.

  7. Arthur disse:

    Então somos militantes submissos? Está querendo dizer que um militante do PSTU é submisso? Cara, é rebaixar muito a minha inteligência.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s